Junho de lutas no Equador

Após 18 dias de revolta popular, classe trabalhadora equatoriana obtém vitória frente ao governo do banqueiro Guillermo Lasso, que se comprometeu a atender a reivindicações de proletários e indígenas. em prazo de três meses

por Apo Corã

O mês de junho marcou um período intenso de protestos liderados por organizações indígenas que reivindicavam melhores condições de vida para os equatorianos. Com serviços precários de saúde e educação, a população vem sendo fustigada ainda pelo desemprego, pela alta dos preços dos combustíveis, dos alimentos e da moradia. De um lado, um presidente que representa os interesses imperialistas dos EUA, o banqueiro Guillermo Lasso; de outro, as organizações indígenas, lideradas sobretudo pela Confederação das Nacionalidades Indígenas do Equador (Conaie).

Devido a sua posição geográfica, o país Equador é associado à linha que divide o planeta Terra em dois hemisférios iguais, a linha do Equador. No âmbito social, porém, sempre viveu uma realidade diferente daquela sugerida por seu nome. Desde 13 de junho, quando os protestos contra o governo de Guillermo Lasso se iniciaram, os povos e nacionalidades indígenas, liderados sobretudo pela Conaie, buscam mudar o cenário de desigualdade extrema que deixou uma parte significativa dos povos originários em situação de miséria.

A assembleia de 20 de maio, organizada pelo Movimento Indígena e pela Conaie, decidiu por uma greve nacional (paro nacional indefinido) e contou com a participação da Confeniae (Confederação das Nacionalidades Indígenas da Amazônia Equatoriana), Ecuarunari (Confederação dos Povos da Nacionalidade de Kichwa), Conaice Costa (Confederação de Nacionalidades e Povos Indígenas da Costa Equatoriana), dentre outras representações. A greve se deveu ao aumento do custo de vida e do desemprego; há uma grande desigualdade no acesso a serviços básicos de saúde, educação, moradia, água, alimentos; o preço da gasolina subiu cerca de 45 por cento. A Conaie e o Movimento Indígena listaram dez tópicos como reivindicações da greve nacional:

  1. Redução e não mais aumentos dos preços dos combustíveis;
  2. Moratória de mínimo um ano no sistema financeiro para que as famílias possam pagar suas dívidas;
  3. Preços justos nos produtos do campo;
  4. Emprego e direitos trabalhistas;
  5. Não mais mineradoras nos territórios indígenas nem nas fontes de água;
  6. Respeito aos 21 direitos coletivos;
  7. A não privatização dos setores estratégicos;
  8. Políticas de controle na especulação de preços;
  9. Orçamento urgente para a saúde e educação;
  10. Políticas públicas de segurança e proteção.

Contra o imperialismo

Fundada em 1986, a Conaie foi agrega as nacionalidades indígenas equatorianas Quichua, Shuar-Achuar, Chachi, Tsachila, Siona-Secoya, Huaorani, Cofan, Awa, Epera. Em seu projeto político, propõe uma nova constituição, reforma na administração pública, autonomia e direito indígena, reorganização dos territórios de povos e nacionalidades indígenas, consolidação da autonomia e do direito indígena, Eceplan (Economia Comunitária Ecológica Planificada), reforma agrária, valorização da cultura indígena, educação bilíngue intercultural científica e humanista.

A Conaie luta contra problemas estruturais que surgiram durante a colonização e que geraram uma política excludente, antidemocrática, repressiva e pró-imperialista. Nesse sentido, busca solucionar os problemas de terra e territorialidade, industrialização, desemprego e subemprego, moradia, educação, saúde, discriminação e segregação racial.

Dentre os princípios políticos ideológicos da Conaie há: humanismo integral; comunitarismo (igualdade econômica, política, cultural, tecnológica e científica, satisfação das necessidades materiais e espirituais, desenvolvimento humano e preservação da natureza); democracia plurinacional comunitária; plurinacionalismo; unidade na diversidade; autodeterminação; soberania; independência; solidariedade internacional.

Repressão

A luta popular encabeçada pela Conaie possui objetivos conflitantes aos do atual presidente banqueiro Guillermo Lasso, que atuou de forma repressora e antidemocrática contra os protestos que ocorreram no mês de junho.

O presidente da Conaie, Leonidas Iza, foi sequestrado e ficou incomunicável por várias horas na madrugada de 14 para 15 de junho. Iza foi levado a uma base militar e solto depois de 24 horas, sob a acusação de paralisar o transporte público. Em 18 de junho, o carro de Iza foi alvejado por um tiro, num atentado que só não resultou em feridos devido à blindagem do veículo.

Desde o início das manifestações, Lasso as reprimiu de forma brutal e inconstitucional. Houve ataques da polícia, prisões ilegais e mesmo assassinatos, vitimando até crianças e idosos. As mobilizações contra o governo aumentaram paulatinamente, contando com o apoio de professores, estudantes e diversas categorias de trabalhadores. Oito em cada dez equatorianos não acreditam no presidente e 82% avaliam sua gestão como ruim ou muito ruim.

O governo de Lasso instaurou o estado de exceção em várias províncias equatorianas no dia 20 de junho. Fascistas saíram então às ruas em carros de luxo e começaram a disparar contra manifestantes nos arredores de Quito. No dia 21 de junho, a polícia invadiu a Universidade Católica, o escritório da Confederação Nacional das Organizações Camponesas (Fenocin), Indígenas e Negras e a Universidade Salesiana. Dois dias antes, a polícia havia tomado a Sede Nacional de la Casa de la Cultura Ecuatoriana, local que tradicionalmente concentra manifestantes, inclusive aqueles que retiraram três presidentes do poder no passado.

Em 30 de junho, o governo do Equador e o movimento indígena chegaram a um acordo, uma vez que o governo se comprometeu em, dentro de três meses, “revogar o estado de exceção, baixar cinco centavos do preço dos combustíveis subsidiados e não dar mais concessões de mineração em reservas naturais, zonas intangíveis, áreas de reserva de água e territórios indígenas”. A Conferencia Episcopal Ecuatoriana sediou e mediou o diálogo entre o governo e as representações indígenas. As outras demandas listadas nas reivindicações da Conaie serão discutidas em mesas de trabalho.

A conquista que a revolta popular de junho alcançou no Equador foi mais uma prova de que a classe trabalhadora organizada é capaz de impor suas reivindicações, desarticulando abusos da burguesia e do império que esta obedece. Que haja mais êxitos da luta pela democracia anticapitalista, anti-imperialista, anticolonialista e antissegregacionista na América Latina! Que os gritos em protestos amplifiquem a força do povo e seus anseios! Fora Bolsonaro! ¡Fuera, Lasso, fuera! ¡Fuera Bukele! ¡Fuera Robles! ¡Fuera Giammattei! ¡Fuera Duque! ¡Fuera Marito! Fuera Lacalle Pou!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s